sexta-feira, 29 de junho de 2012

Inscrições abertas para o I Hadithi Njoo - Festival Internacional de AfroContação de Histórias


O Ilú Obá de Min Educação, Cultura e Arte Negra / Ponto de Cultura Ilú Ònà Caminhos do Tambor e o Projeto OFICINATIVA tem o orgulho de comunicar que estarão realizando nos dias 24, 25 e 26 de agosto de 2012 a primeira edição do Hadithi Njoo, Festival de AfroContação de Histórias, na cidade de São Paulo.
A iniciativa conjunta deseja valorizar e amplificar a tradição de propagar ensinamentos e entretenimento através da oralidade e do encontro, características que sempre estiveram presentes nas realidades comunitárias africanas e afrobrasileiras. Ao mesmo tempo, tem a pretensão de propor um diálogo contemporâneo entre as antigas e as atuais tecnologias utilizadas para tal prática, apoiando-se em criativas experiências e possibilidades artísticas, pedagógicas e comunicativas.
Para isso convida a todos que apreciam essa linguagem artística a participarem dessa ação inovadora. Entre os dias 17 de junho e 5 de agosto estaremos recebendo trabalhos relacionados ao tema. Além do convencional formato de contação presencial, o festival estará aberto para acolher apresentações em áudio e em vídeo também, já que a convocatória está sendo divulgada em outras localidades do mundo. Como conteúdo valem tanto histórias tradicionais de povos africanos e afrodescendentes, quanto criações personalizadas que diretamente tratem do assunto. Em relação às técnicas de contação, estamos abertos e ansiosos para contatar as mais diversas e originais possíveis. Paralelamente às apresentações durante os 3 dias de atividade de agosto, estaremos organizando conversas, exposições, feira, vivências, etc.
Quem desejar participar do festival, favor solicitar regulamento, que estará disponível a partir da segunda quinzena de junho . Outras informações podem ser solicitadas aos organizadores Baby Amorim (iluobademin@yahoo.com.br ; e Odé Amorim (projetooficinativa@hotmail.com).

"Todo esforço conta e não sabemos de qual ação aparentemente modesta surgirá algo que transforme o rumo das coisas. Não se esqueçam que o rei das árvores da savana, o Baobá poderoso e majestoso, nasce de uma semente que, em princípio, não é mais espessa que um grão de café ....
Carta aos jovens, Amadou Hampâté Bá

quarta-feira, 27 de junho de 2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Audiência Pública

Dia 26/06/2012 das 18h às 20h
Av. Barão de Tefé, 45 - Saúde - RJ


Imagine você que a Zona Portuária está repleta de história da População afrodescendentes e precisamos nos posicionar e nos fazer presente para que ela não seja enterrada ou soterrada mais uma vez.
É isso mesmo que você está lendo.
Sua participação de corpo presente se faz necessária para que possamos juntos(as) escrever uma história e respeitar uma outra já existente.
Convocamos, com todo respeito, em nome de nossa ancestralidade, e principalmente pela dignidade da história de nosso povo, a toda sociedade civil, principalmente os(as) interessados(as) na questão racial negra e sua história, a participar da Audiência Pública, que terá como tema o:
APRESENTAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL do Grupo de Trabalho Curatorial do Projeto Urbanístico, Museológico e Arquitetônico do Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana na Região Portuária do Rio de Janeiro do Decreto nº 34803 de 29 de novembro de 2011 sobre a Criação do
Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana na Zona Portuária.
(Cais do Valongo)
Participação:
Alberto Silva - Assessor da CDURP e coordenador dos Programas Porto Maravilha Cultural e Porto Maravilha Cidadão
Dulce Vasconcellos – Presidenta da COMDEDINE – Conselho Municipal em defesa dos Direitos do negro.
Lelette Couto - Coordenadora da CEPPIR – Coordenadoria Especial de Políticas de Igualdade Racial.
Washington Fajardo – Subsecretário de Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design

Serviço:
Data: 26/06/12 - Terça-feira
Horário: 18h às 20h
Local: Av. Barão de Tefé, 75 Saúde (veja como chegar) Mapa
Às 16h – Venha conhecer a obra Cais do Valongo e da Imperatriz e seja

Testemunha Ocular desta história.
Tire fotos e faça sua filmagem para registrar esse momento

Para saber mais sobre o Cais do Valongo e da Imperatriz conhecido como Patrimônio dos Afrodescendentes, por Tania Andrade Lima, Arqueóloga do Museu Nacional / UFRJ: Revista de História